sexta-feira, 12 de outubro de 2012

NOVA ERA - A Nísia Floresta Brasileira Augusta



Da vigília nasce o sonho;
do sonho, a profecia.

Guia-me...,
diz Cincinnatus,
e a mulher busca repouso
no berço da sabedoria.
No repouso,
o sol ilumina o solo,
vasta planície,
cemitério de todo mistério.
Em ruínas,
correntes se desatam,
vozes e vermes se confundem,
tudo devoram.
Onírica e fluida aparição!
A mulher,
vítima do maniqueísmo inexato,
expondo a face em chaga,
desfigurada,
descortina in continenti
o véu da inexorável verdade...


Poema de Nathalie Bernardo da Câmara, publicado na cartilha Da aurora ao crepúsculo, de sua autoria, com ilustrações do cartunista potiguar Edmar Viana (1955 - 2008), lançada quando das comemorações pela passagem dos 187 anos de nascimento da educadora, escritora e feminista Nísia Floresta (Papary-Brasil, 12/10/1810 - Bonsecours-França, 24/4/1885), em 12 de outubro de 1997, e distribuída nas escolas da rede pública de ensino do município que leva o nome da norte-rio-grandense (decreto-lei 23/12/1948). 


Da autora: Fragmentos de uma obra inédita - Notas biográficas. Editora da Universidade de Brasília (UnB), 151 páginas. Brasília-DF, 2001 - tradução do original em francês Fragments d’un ouvrage inédit - Notes biographiques, de Nísia Floresta Brasileira Augusta,  A. Chérie Éditeur, 111 pages. paris, 1878.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aceita-se comentários...